Ir direto para menu de acessibilidade.


Página inicial > Notícias > Biblioteca Arthur Vianna prepara programação especial para o dia do Folclore
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Biblioteca Arthur Vianna prepara programação especial para o dia do Folclore

  • Publicado: Sexta, 12 de Agosto de 2016, 13h35
  • Última atualização em Sexta, 12 de Agosto de 2016, 13h37
  • Acessos: 545
imagem sem descrição.

Durante os dias 23 e 24 de agosto, a Biblioteca Pública Arthur Vianna promove programação especial infantil voltada para crianças de 6 a 12 anos com o tema “Nos Encantos do Imaginário Amazônico”. A programação irá das 9h às 11h30. 

As crianças que participarem da programação terão a possibilidade de assistir uma mostra literária com o tema “O lendário amazônico”, Teatro de Marionetes, Espaço de Leitura e a apresentação dos grupos Movimento Contarte Amazônia com o tema “Conta que eu Conto Amazônia”, e Coletivo Sigma em Arte com o tema “Ópera da Amazônia”.

A coordenadora da Biblioteca Arthur Vianna, Ruth Selma, destaca a valorização do material da biblioteca. “Vamos abordar lendas com diversos grupos e atividades, justamente para que essas crianças tenham contato com as atividades, especificamente com a lenda, para valorizar a nossa região, todo trabalho que fazemos na biblioteca e também o acervo disponível para os usuários”, destaca.

Ainda segundo a coordenadora Ruth Selma, apesar das atividades serem com escolas, as crianças que quiserem participar têm o acesso livre. 

Espetáculo Conta que eu Conto Amazônia – O projeto Movimento Contarte Amazônia nasceu da vontade de seus idealizadores, Josué Castilho e Glenda Fernandes, em mostrar a Amazônia por meio da contação teatralizada de lendas da região para diversos públicos, especialmente crianças.

O espetáculo pauta-se inicialmente em duas lendas: Cobra Norato e Rio Xingu e Amazonas. Entre as cenas se mesclam temas do cotidiano regional atual, sem esquecer o repertório original das histórias.

A idealizadora, Glenda Fernandes, comenta sobre a satisfação de desenvolver esse tipo de projeto. “Por meio de histórias que fazem parte da nossa cultura, nós contadores damos vida aos personagens, intercalando momentos de contação e teatro. O resultado disso tudo são momentos de alegria, encantos e interação entre os contadores e o público. Nosso lema é movimento. De ideias, artes, pessoas e lugares. O espetáculo, portanto, é cheio de vida”, comenta.

Espetáculo Ópera da Amazônia – O Coletivo Sigma em Arte é surgiu com o objetivo de agregar talentos em projeção de projetos de cunho pedagógico ou social, já está na estrada há quatro anos. Os dez integrantes que compõem o grupo são artistas de vários segmentos, como circo, comédia, drama, grafite e entre outros.

Serviço – A programação especial infantil do dia do Folclore será nos dias 23 e 24 de agosto, na Biblioteca Pública Arthur Vianna, das 9h às 11h30.

O diretor artístico do Coletivo, Wilson Trindade, comenta sobre o espetáculo em si. “Ópera da Amazônia nada mais é do que um canto da Amazônia, onde iremos trabalhar vários segmentos que falem através da musicalidade, do movimento do corpo, da expressividade, da arte em sí, um pouco do que é a maravilha da Amazônia e o que é a maravilha do nosso povo”, comenta.

“Estamos trabalhando uma trilogia que consiste de mitos, ritos e lendas, através de figuras emblemáticas como o boto e matinta-perera, além de cantar de forma poética e sensível a lenda ‘Naiá – A Estrela do Rio’”, completa Wilson Trindade.

O Coletivo desenvolve um trabalho dinâmico, didático e ao mesmo tempo valoriza a plasticidade, a beleza e os movimentos do corpo, onde misturam dança contemporânea, teatro e circo. A união desses elementos retrata os encantos da Amazônia.

Wilson Trindade ressalta o sentimento de valorização da cultura amazônica com o desenvolvimento do trabalho do grupo. “Lamentavelmente, vemos mais as pessoas de fora darem valor em nossa cultura. O nosso trabalho é de suma importância para sensibilizar as pessoas daqui. Aqui no Pará somos muito felizes porque temos uma cultura bastante rica. Muita das vezes, por falta de não conhecer, não valorizamos nossas manifestações culturais. Queremos desenvolver o psíquico, o mental e o intelectual de cada uma de nossas crianças e jovens cidadãos, conhecendo nosso espaço, nossa cultura e nosso povo”, ressalta.

registrado em:
Fim do conteúdo da página