Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade



Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Literatura paraense perde Olga Savary e Cláudio Cardoso

  • Publicado: Domingo, 17 de Maio de 2020, 11h37
  • Última atualização em Domingo, 17 de Maio de 2020, 11h43
  • Acessos: 709
imagem sem descrição.

A Fundação Cultural do Pará lamenta a partida de dois dos grandes expoentes da literatura paraense: Cláudio Cardoso e Olga Savary, nomes brilhantes em suas respectivas linguagens, nos deixaram nos últimos dias - ambos por complicações causadas pelo novo coronavírus.

Respeitada e admirada por nomes do calibre de Drummond e Gullar, Olga foi poeta, contista, romancista e jornalista - além de importantíssima tradutora do rico universo latino-americano, aproximando de nós a obra de gigantes como Júlio Cortazar e Pablo Neruda. Premiada e pioneira, também foi a primeira mulher no Brasil a falar de erotismo em coletânea poética.

Cláudio foi poeta, cordelista, articulador e agitador cultural. Figura conhecida e querida da cena paraense, além de incentivador de saraus e bibliotecas comunitárias, criou nossa Academia de Literatura Cordelista - além de administrar sua própria editora e coordenar o estande de escritores paraenses na Feira Pan-Amazônica do Livro.

"Um dos militantes mais legítimos da área do livro e da leitura, sempre atuante, deixará saudades como amigo e um legado valoroso como escritor, poeta, produtor, editor e gestor", comenta o diretor de leitura e informação da FCP, Guilherme Relvas.

O diretor lamenta as perdas, cada uma com um peso enorme para as letras no Pará e no Brasil.

“Com ousadia, enfrentou barreiras e abriu caminho para outras poetas que hoje se inspiram em Olga para o fortalecimento da literatura", aponta Relvas. "Minha admiração pelo Cláudio, por sua vez, não tem limites. Ele se tornou uma referência para muitos que acompanharam sua luta com as adversidades no campo da saúde. E mesmo quando as dificuldades aumentavam, ele surgia surpreendentemente motivado, cheio de planos e ideias, sempre relacionados à valorização da nossa literatura e a promoção dos nossos escritores. Ambos farão muita falta para nossa cultura”.

A Fundação Cultural do Pará se solidariza com a família, amigos e admiradores das vítimas; e estende as condolências a todos que perderam pessoas queridas diante deste triste cenário de pandemia. A memória do afeto e dos feitos em vida prevalece nos corações dos que ficam.

registrado em:
Fim do conteúdo da página