Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade



Início do conteúdo da página
Últimas notícias

"Vultos do Pará", do artista plástico Faeli Moraes, abre para visita no Curro velho

  • Publicado: Sexta, 08 de Março de 2019, 17h05
  • Última atualização em Sexta, 08 de Março de 2019, 17h05
  • Acessos: 255
imagem sem descrição.

A exposição “Vultos do Pará”, do artista plástico e ambientalista paraense Faeli Chaves Moraes, abre para visitação nesta segunda-feira (11), no Espaço Curro Velho. A mostra traz o olhar de um artista mobilizador eco-social que transcende o mundo artístico, transformando resíduos sólidos em objetos de grande importância para nossa cultura, história e arte.

Faeli, que já foi cria e instrutor do Núcleo de Oficinas do espaço, costuma correr atrás dos diversos materiais dos quais a comunidade dispõe. Utiliza sacolas plásticas e jornais como principal matéria-prima em suas composições artísticas; e, com isso, constrói o que são monumentos de arte cultural sustentável. O artista destaca a importância da consciência ambiental na sua abordagem. “a proposta de reutilizar gera conscientização do próprio consumo. Quando consumimos um bombom e jogamos fora a embalagem, é lixo; mas, quando pensamos em reciclar, é resíduo sólido”.

A exposição é fruto do trabalho desenvolvido por Faeli no programa "Sacolagem", que surgiu no período em que o ambientalista era membro do Curro Velho e ministrava oficinas por lá. As atividades do projeto eram realizadas nas proximidades do Distrito de Icoaraci, no bairro do Paracuri. Composta por 15 eco-bus, a mostra conta uma breve história do estado, desde o fundador da cidade de Belém até Benedito Nunes - passando por políticos, música, cultura popular, cientistas, esportistas, literários, filosofia, religião e cinema. Hoje, o artista está em processo de despedida da capital paraense; e busca parceiros para levar a exposição a outros lugares, em particular o sudeste e o sul - região na qual ele passará uma temporada. Há também o plano de levar a curadoria para a Europa, e assim espalhar ainda mais a ideia de uma cultura amazônica sustentável e artística. 

registrado em:
Fim do conteúdo da página