Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade



Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Fundação Cultural do Pará promove oficinas para quilombolas

  • Publicado: Segunda, 10 de Julho de 2017, 11h14
  • Última atualização em Segunda, 10 de Julho de 2017, 11h14
  • Acessos: 515
imagem sem descrição.

A Fundação Cultural do Pará (FCP) realiza neste mês diversas oficinas de arte e ofício em comunidades tradicionais quilombolas no município de Salvaterra, no arquipélago do Marajó. As oficinas serão de grafismo, estamparia africana, música e beneficiamento em fibras e trançados.

Segundo a coordenadora do projeto, Deusa Vasconcelos, as oficinas fazem parte das ações de arte e ofício em comunidades tradicionais, nesse caso, quilombolas, e vai atender as comunidades de: Deus Ajude, Mangueiras, São João, Pau Furado, Bairro Alto, Bacabal, Caldeirão e Boa Vista.

De acordo com o diretor de Interação Cultural da FCP, Walter Figueiredo, o objetivo das oficinas ministradas para os quilombolas é mostrar aos alunos uma forma de aproveitar a matéria-prima que pode ser encontrada na própria comunidade e transformá-la em renda.

As atividades serão realizadas em três polos e divididas em duas etapas. No polo da comunidade das Mangueiras, no período de 11 a 15 de julho, a artista Andréia Feijó vai ministrar a oficina de Grafismo e Estamparia Africana. “Vamos fazer exercícios para trazer referências de imagens que são importantes para eles, as que caracterizam as tradições culturais deles”, ressaltou a artista.

A comunidade Pau Furado vai receber a oficina de Música de Percussão, no período de 18 a 22 de julho, com mais de 100 vagas. Deusa Vasconcelos ressalta que, nessa oficina, os alunos poderão conhecer mais sobre a cultura do Marajó, a partir das músicas de raiz das comunidades quilombolas. 

Walter Figueiredo ressaltou que, na comunidade Deus Ajude, a oficina de beneficiamento em fibras e trançados, que será realizada na última semana de julho, será ministrada pela artista Ruth Cléia. “Ela vai ensinar como pegar a matéria-prima, como tratar e como trançar as fibras para que sejam transformadas em cestas ou outros objetos”.

As inscrições são gratuitas e serão realizadas nas próprias escolas sede de cada oficina. Walter Figueiredo declara que essas atividades são importantes para trabalhar as diferentes formas de apropriação do território, onde os laços de solidariedade e a relação com os recursos naturais são determinantes.

Serviço:

Oficinas de Arte e ofício em comunidades quilombolas em Salvaterra

Comunidade Mangueiras: de 11 a 15 de julho

Comunidade Pau Furado: de 18 a 22 de julho

Comunidade de Deus Ajude: de 24 a 28 de julho

Inscrição gratuita

registrado em:
Fim do conteúdo da página