Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade



Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Fundação Cultural recebe doação de livros sobre a Cabanagem

  • Publicado: Segunda, 17 de Abril de 2017, 09h50
  • Última atualização em Segunda, 17 de Abril de 2017, 09h51
  • Acessos: 297
imagem sem descrição.

Em meio ao clima da campanha de incentivo à leitura, lançada pelo Governo do Estado do Pará na terça-feira (11), em Belém, com o tema “Ler pode mudar a sua história. Compartilhe livros”, a Fundação Cultural do Pará (FCP) recebeu 150 volumes da obra “Cabanagem – Poema”, como doação das mãos do próprio autor, o pesquisador, professor e médico Valdecir Palhares.

A Obra “Cabanagem – poema”, que além do livro conta também com um CD com 18 músicas, é resultado de uma minuciosa pesquisa de oito anos feita por Valdecir Palhares sobre a Cabanagem, a maior revolução popular já vivida no Brasil.

Valdecir Palhares, que é paulista, mas mora no Pará há 48 anos, considerando-se um paraense de coração, conta que o objetivo principal da doação é passar para a FCP a missão de fazer com que os livros cheguem às escolas. “Essa nova visão, essa releitura sobre a Cabanagem, agora vai estar à disposição da população. Esse é o meu objetivo. Não tenho porquê estar com as obras guardadas na minha casa. Eu não fiz isso para mim, eu fiz para a população, é a minha contribuição no incentivo à leitura”, comenta o autor.

Valdecir Palhares conta, ainda, que a linguagem do poema de sua obra facilita o leitor a compreender melhor a história da Cabanagem, que foi a primeira revolução popular do Brasil a ter um poema épico. Segundo o autor, a obra completa possui mais de 400 estrofes, em que cada linha é um verso, que acabou gerando 18 músicas. “Eu fui pesquisando, estudando, e fiz uma releitura, como uma forma diferente de contar e sobre o que foi a Cabanagem. Eu escrevo os poemas em rima, eu rimo o tempo todo, essa forma facilita os músicos a musicar os versos, e assim a história também é contada em música e rima. A forma que eu escrevo é que permite isso”, explica.

A obra de Valdecir Palhares deu origem ao espetáculo teatral “Cabanagem, o Musical”, adaptado da obra pela diretora, atriz e também pesquisadora Ester Sá, e também ao CD e DVD “1835 - Cabanagem: Canções de Amor, de Guerra e Paz”, projeto musical do pesquisador e violonista paraense Salomão Habib.

Os 150 volumes doados por Valdecir Palhares irão passar pela catalogação e serão distribuídos nas Bibliotecas da Fundação Cultural do Pará, localizadas no prédio da FCP (Centur), na Casa das Artes, na Casa da Linguagem e no Núcleo de Oficinas Curro Velho, onde estarão a disposição dos usuários. Os exemplares também serão distribuídos às bibliotecas dos municípios paraenses que compõem o Sistema Estadual de Bibliotecas.

Fomento

A Fundação Cultural do Pará vem mantendo a sua principal missão de fomentar, preservar e difundir os bens culturais, assegurando o acesso às formas de linguagem, por meio de cursos e programações voltados à universalização do acesso à leitura, às bibliotecas e aos suportes de registro da informação. Também no incentivo à cultura, na forma de editais, prêmios, leis de incentivo e linhas de financiamento para as diversas esferas de pesquisa, prática e produção da arte e do ofício, em diferentes linguagens artísticas e socioculturais.

A Biblioteca Pública Arthur Vianna é o maior símbolo da instituição na questão do incentivo e acesso a leitura. Com 146 anos de história, está entre as maiores bibliotecas do país e recebe em média 30 mil usuários por mês, em seus 14 setores. Em termos de acervo, a instituição disponibiliza cerca de 800 mil volumes, entre livros, folhetos, revistas, jornais, mapas, discos em vinil, fitas de vídeo, DVDs, CD-ROM, livros em Braille, microfilmes, jogos, gibis, entre outros.

A professora universitária em História da Educação, Carla Almeida, de 49 anos, conta que era frequentadora da Biblioteca na década de 80, e ficou muito feliz ao retornar recentemente e ver a quantidade de pessoas que continuam visitando a biblioteca para estudar, pesquisar e buscar conhecimento, hoje já com novas tecnologias disponibilizadas.

“A Biblioteca Arthur Vianna tem formado gerações, que vêm aqui ter acesso a muitos aspectos que só existem aqui. A Biblioteca tem esse caráter de socializar a leitura e assim formar cidadãos. Eu acho que a Biblioteca Arthur Vianna, tem cumprido esse papel ao longo do tempo de sua história”, comemora.

Ainda segundo a professora Carla Almeida, os livros são o registro da nossa produção cultural e da nossa produção histórica. “A leitura é fundamental como processo de acesso à memória. Quando temos a memória conseguimos construir uma cidadania, porque aí temos consciência cultural a cerca do mundo presente e do passado. A biblioteca Arthur Vianna contribui com o resgate à nossa memória”, acrescenta.

Iolanda Sousa, de 20 anos, que está estudando para prestar vestibular em Psicologia, disse que sempre foi incentivada a ler, pelos seus pais, que são professores, e isso contribuiu para formar a cidadã que é hoje, “Eu acredito que os livros e a leitura podem transformar vidas, a ter uma formação e assim uma condição melhor. O hábito de ler nos ajuda a expandir o censo crítico, e assim termos conhecimento dos nossos direitos e lutarmos por eles”, pontua.

A estudante Iolanda Sousa também reafirma a importância de uma biblioteca como a Arthur Vianna na democratização da leitura. “Uma Biblioteca como a Arthur Vianna é muito importante no incentivo à leitura, por que ela está aberta ao público. Quando se tem uma biblioteca boa como essa, pra estudarmos, pra ler qualquer livro que quisermos, a gente pode contribuir e levar esse conhecimento para as pessoas que mais precisam e não tem esse acesso”, pontua.

A Biblioteca Arthur Vianna funciona no terceiro andar do Centur, no horário de 8h às 18h, de segunda a sexta-feira. Informações: 3202-4332.

registrado em:
Fim do conteúdo da página